01 outubro, 2009

A Arte que imita a vida

Faz tanto tempo que não escrevo... O último texto foi sobre os Vigilantes, que eu já deixei de ir. Algumas coisas mudaram em meu jeito de ser. Eu costumava ser mais persistente com as coisas. Mas cheguei a um momento em que logo me canso, logo perde a graça, logo já não é importante. Seja um livro, seja um projeto, seja um sonho...
Eu não estou gostando de ser assim, mas também não estou preocupada em mudar. Para falar a verdade poucas coisas têm me preocupado ultimamente. Se por um lado estou menos aplicada, digamos assim, com algumas coisas, por outro estou menos ansiosa com relação ao futuro.
Sempre fui muito de sofrer antecipadamente. O tal “peru de véspera”. Não sei em que ponto exatamente foi a metamorfose, mas isso já foi descamado.
Hoje um amigo me disse uma frase que me fez pensar... “tanta lida para tão pouca vida”. E não é verdade? E para completar meu dia vi um filme que me deixou completamente suspensa.
Bom, estou em um dia estranho. Meio chorosa, meio saudosista. E eu aqui me perguntando o que tenho feito...

2 comentários:

BETO PALAIO disse...

Passei para ver teus textos lindos... A encucação é uma arte... Tire proveito dela... Se não fosse a encucação a Clarice Lispector não teria escrevido nem uma linha de sua obra... Sei que você é valente e talentosa... Deixe fluir essa lado melhor de você... Beijos

Luiza Castro disse...

Você e essa capacidade de me fazer querer voltar a escrever... rs!