26 abril, 2010

Sacolejo


Foi num dia bem qualquer que ela me perguntou como uma seta: “Amor muda?”. Primeiro fiquei surpresa com a intensidade da pergunta para tão pouca idade. Depois, levemente desconsertada pela pouca intimidade. Mas arrisquei. “Se nós mudamos a cada dia, a cada ano, a cada ciclo, creio que o amor deve mudar também”. Ela me estudou com seus olhos vivos. “Você já teve um amor que mudou não de tamanho, mas de forma?”. Aquilo estava ficando mais íntimo do que eu esperava.

“Sim”, respondi pensativa. Eu mesma nunca tinha me feito tais perguntas. Às vezes não pensamos em certas coisas pelo simples hábito de não pensar. Acomodamos todas elas no sofá e ligamos a TV.

As borboletas no estôbago algum dia param de bater suas asas. Lembrei-me de um livro que havia lido há pouco tempo. Uma das personagens, dessas bem a la Jane Austen, dizia que gostava de cuidar de sua casa e de seu marido. Que era feliz e se sentia protegida, o que mais podia querer?

Será que no fundo o que queremos é isso? Mesmo depois de tanta liberdade adquirita, novos ângulos e parâmetros, novos discursos?

Amar assim me pareceu mais um hábito.

Mas no final das contas o que queremos não é a tranquilidade de um amor? Não é isso o que realmente buscamos? Ele precisa passar pela resistência do tempo, soprado pela paciência, regado alimentado e fortificado para se tornar flexível e forte como o bambu.

A paixão, então, me pareceu fraca.

Ela continuou a tagarelar, mas eu já nem escutava. Já me havia perdido na bagunça que ela havia provocado.

Tive que retirar alguns pensamentos para lavar.

4 comentários:

Linn Anastassakis... disse...

Lu, vc não é a única que tirou pensamentos para lavar...Tudo isso provocou bagunça em mim também! :S
Danada! rsrs

"Meus amores vivem mudando de forma, tamanho, nome, cabelo, endereço, RG, CPF...
Meus amores vivem mudando de gosto também...uns mais amargos, outros mais doces, alguns azedos!
No final, todos me fazem amarrar ou entortar a boca. :/

Preciso perder o HÁBITO de amar qualquer olhar, qualquer sorriso!"

Se cuida.
Beijinhos!

BETO PALAIO disse...

Frases ao pasmo amor:

O mar lambe a areia, o condor plana no ar e o amor se esconde entre as folhagens do comigo-ninguém-pode.

O amor é para sempre num minuto e, no outro, nunca mais.

Estar amando alguém que não compartilha sua cama é o mesmo que morrer de sede no deserto tendo um camelo como guia.

O amor sendo de espuma e bola de sabão, tal arco-íris, flutua, brilha, encendeia e depois desaparece.

O amor é livre, mas amiúde nos chama de cativos.

Linn Anastassakis... disse...

Lu, querida!! você está sumidaa....
apareça..adoro ler seus textos.

Mil Beijos.

Luiza Castro disse...

Oi Linn! Eu jajá escrevo! Fiquei meio enrolada esses dias. Obrigada por acompanhar o blog! Também gosto demais do seu viu? Beijos, flor!